sábado, novembro 19, 2011

Civet


As garotas de Los Angeles, California, mandam ver no som que definem como "Femme Fatale Punk Rock", como diz o nome, elas mantem a aparência impecável deixando muita gente babando e ainda tocam um punk pra ninguém colocar defeito. Elas já tem gravados cinco albuns e um EP de 2000. O último "Love & War", lançado esse ano pela Hellcat Records eu ainda não escutei, então deixo o link do anterior, "Hell Hath No Fury" de 2008. Apesar de apontarem como principal influencia musical a banda Runaways eu recomendo Civet pra quem pira nos dois primeiros albuns do Distillers, como eu. A semelhança é notável.
Na formação: Roxie Darling (baterista), Ms Liza Graves (vocalista e guitarrista), Suzi Homewrecker (vocalista e guitarrista) e Jacqui Valentine (baixista).

Hell Hath No Fury [ Download ]



Vídeo da música mais pop desse album não dá para postar aqui, então quem quiser conferir as belezuras clica.

Hardcore Bitch

2 comentários:

  1. Oi Daiah!
    Oh bacana essa banda também. Você sempre mostrando pra galera as bandas femininas que poucos conhecem, acho isso muito legal. Curti o som delas... mandam bem...
    Bjuss

    ResponderExcluir
  2. Oi, Scarlet.
    Vim retribuir a visita e lembrar que você é sempre bem-vinda no Estranho Mundo.

    Queria dizer também que, ao ler e reler os comentários da "mídia oficial" sobre a apresentação da Hole no SWU cheguei a uma constatação quase irreal:

    após seis décadas de rock'n'roll muita gente ainda não entende a relação "música+liberdade=rock"

    Os desavisados, eu perdôo - afinal, niguém é obrigado a saber o quão casuais e despretenciosas costumam ser as apresentações da Hole (mas que fiquem avisados a partir de agora, hein!)

    Agora os críticos "entendidos", criticando Courtney Love e sua performance... façam-me o favor de pelo menos e estudar sobre o que vão escrever para não passarem pelo ridículo de se tornarem "cronistas do óbvio" e postulantes a padronizar o rock como fazem com outros gêneros musicais.

    No mercado interno médio (composto de pré-adolescentes histéricos e consumidores que adquirem cds de rock para animar festas em condomínio) isso pode até funcionar - mas com gerações mais "rodadas" e gente que conhece o rock de tanto frequentar shows e buscar informações de diversas fontes, chega a ser cômico esse tipo de comentário..

    Um abraço e até mais.

    ResponderExcluir